PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 64 visitantes e Nenhum membro online

Carta de D. Odilo Sobre Voto Consciente

Estimados padres da Arquidiocese de São Paulo,

Escrevo-lhes sobre a campanha eleitoral, já iniciada, em vista das próximas eleições municipais em São Paulo. Temos clara noção da importância destas eleições, em vista dos cargos de prefeito e vereadores, que estão em jogo; por isso, também nós acompanhamos com atenção especial esta campanha eleitoral, uma vez que o destino político do nosso Município, nos próximos anos, estará nas mãos daqueles que agora forem eleitos.

dom-odilo-brasaoComo arcebispo desta Arquidiocese, juntamente com os bispos auxiliares, emitimos uma Nota sobre as eleições municipais de 2012, em São Paulo, que lhes passo em anexo; nosso desejo é contribuir para o bom desempenho da campanha e para a formação política de eleitores e candidatos. Pedimos que essas orientações sejam divulgadas através dos vários meios à sua disposição, como impressos, internet e encontros de formação... Trata-se de uma ocasião importante para a formação da consciência política do povo; os eleitores, exercendo bem o seu poder político mediante o voto, escolhendo candidatos idôneos e comprometidos com o bem comum, com a justiça social, o respeito à vida, à dignidade da pessoa humana e com as demais causas boas, estarão cumprindo o seu dever de cidadãos na edificação do bem comum.

Ao mesmo tempo, desejamos comunicar-lhes algumas orientações da Arquidiocese de São Paulo com respeito ao envolvimento do clero e dos espaços e organizações eclesiais na campanha eleitoral.

1. A Igreja Católica Apostólica Romana não tem uma opção oficial por partidos ou candidatos. Por isso, também os representantes da Igreja (clero) não devem envolver-se explicitamente na campanha partidária (cf Cân. 287 §2; 572).

2. Nas Missas e outras celebrações (homilias, cursos), não deve ser feita, por clérigos ou por leigos, campanha para partidos ou candidatos. O envolvimento político-partidário direto do Padre, ou o uso instrumental, para isso, da celebração litúrgica divide a comunidade.

3. Os espaços eclesiais não devem estar, de forma exclusiva, a serviço de um partido ou candidato. Nos espaços eclesiais (templos, salões paroquiais) também não sejam afixados apelos eleitorais de partido ou candidato. Ficam desautorizados pedidos de favores, ou vantagens, em troca de apoio eleitoral por parte do clero ou de comunidades da Igreja.

4. No entanto, os padres orientem os fiéis a votarem de modo consciente e responsável e a apoiarem candidatos afinados com as convicções dos eleitores e que se comprometam a não promover causas contrárias aos princípios cristãos na sua atuação parlamentar ou executiva, sobretudo no que diz respeito à dignidade da pessoa e da vida, desde a sua concepção até à sua morte natural. No entanto, não se indiquem nomes, pois a escolha deve ser do eleitor.

5. Para melhor conhecimento dos candidatos e de suas propostas, é útil promover encontros de vários candidatos, no salão paroquial ou em outros ambientes. Porém, isso não deve ser feito no templo.

6. Iniciativa útil também é reunir os candidatos católicos, de todos os partidos, nas diversas áreas da Arquidiocese, para refletir com eles sobre as orientações da Igreja em relação à boa participação dos fiéis leigos na política, podendo servir, para tanto, as orientações que enviamos em anexo. Padres de uma mesma área poderão promover juntos tais iniciativas.

Estimados padres, as questões acima expostas fazem parte do nosso zelo pastoral, para conduzir, defender e servir, quais bons pastores, o rebanho do Senhor confiado aos nossos cuidados e para promover o bem comum. Deus os abençoe e recompense!

 

Dom Odilo P. Scherer,

Cardeal Arcebisbo de São Paulo

 

Fonte: Arquidiocese de São Paulo, divulgação. 

Dom Odilo P. Scherer

Dom Odilo P. Scherer
Dom Odilo Pedro Scherer é Cardeal Arcebispo de São Paulo, mestre em Filosofia e doutor em teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. É membro da Comissão Episcopal para a Doutrina da Fé da CNBB, membro do Colégio Cardinalício (Roma) e presidente do Regional Sul 1 (CNBB).