PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 33 visitantes e Nenhum membro online

Escola de Fé e Política Waldemar Rossi

Análise de Conjuntura 2017

No dia 26/06/2017 a Escola de Fé e Política Waldemar Rossi teve a aula de encerramento do primeiro semestre Análise de Conjuntura. O assessor foi o sociólogo da Rede Nossa São Paulo Americo Sampaio.

A mística partiu dos textos a seguir:

(Mateus 23, 2; 4 e 5) Os doutores da lei e os fariseus... Amarram pesados fardos e os colocam nos ombros dos outros, mas eles mesmos não estão dispostos a movê-los, nem sequer com um dedo. Fazem todas as ações para serem vistos pelos outros. (14) Ai de vocês, doutores da Lei e fariseus hipócritas! Vocês exploram as viúvas e roubam suas casas e, para disfarçar, fazem longas orações! Por isso vocês vão receber uma condenação mais severa. (27) Ai de vocês, doutores da lei e fariseus hipócritas! Vocês são como sepulcro caiado; por fora parecem bonito, mas por dentro estão cheio de ossos de mortos e de podridão! (28) Assim também vocês, por fora parecem justos, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e injustiças.

 

(Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora no Brasil 2015-2019, CNBB- 124) Como cidadãos cristãos, cabe generoso empenho para que as comunidades e demais instituições e organizações católicas colaborem e ajam em parceria com outras instituições privadas ou públicas, com os movimentos populares e entidades da sociedade civil, em favor da implantação e da execução de políticas públicas voltadas para a defesa e promoção da vida e do bem comum, segundo a Doutrina Social da Igreja. Incentive-se, para tanto, a participação ativa e consciente, nos Conselhos de Direitos e o empenho generoso na busca de políticas públicas que ofereçam as condições necessárias ao bem estar das pessoas, famílias e povos.

Foi refletida a relação entre a ação cristã em parceria com as demais instituições que lutam pela justiça social.

 

Análise de conjuntura

 

Ver

O que estamos vendo hoje no Brasil?

  • Influência da mídia – manipulação – falta de senso crítico
  • Minoria dominante conta com a desinformação da massa – enriquecimento ilícito
  • Estamos sendo mais informados sobre o que acontece na política e sempre aconteceu. Está mais exposto, mais difícil esconder.
  • Desesperança – busca do “novo”
  • Pobres são invisíveis e os mais afetados.
  • Espaços de controle social esvaziados – repressão aos movimentos sociais
  • Políticas públicas falhas – alta tributação
  • Governo mentiroso – falta transparência
  • Hipócritas e fariseus “sepulcros caiados” de hoje – distância entre fé e vida
  • Desesperança – perda dos direitos (queda da popularidade), com manutenção da agenda do governo
  • Eleição direta para subprefeito
  • Desesperança – a verdade veio a tona – impunidade
  • Classe política corrupta a serviço da elite nacional e internacional. Maioria saíram de colégios católicos
  • A sociedade é também corrupta
  • Desesperança – manipulação imposta pela elite (governo + iniciativa privada)
  • Sistema – estrutura – capitalismo corporativo
  • Poderes todos (Executivo, Legislativo e Judiciário) servem aos interesses do capital
  • A quem servem os Poderes constituídos? Onde está o Poder?
  • A Igreja se distanciou das necessidades e da realidade do povo
  • Os partidos se distanciaram das necessidades e da realidade do povo
  • Escolas ensinam os alunos a pedir favores aos parlamentares
  • Esperança – Deus da justiça
  • Esperança – educação popular
  • Esperança – conquista do plebiscito para as privatizações
  • Movimentos sociais são freios para ações que servem apenas interesses da elite.
  • Reforma política para o Parlamentarismo

Todos participantes da EFPWR tem o dever de sair e fazer política!

Lutar pelos nossos direitos.

Importante separar amigos e inimigos para desenvolver estratégias.

Inimigos:

  • Mídia
  • Sistema político
  • Crise política (acabou o sistema representativo – homens brancos empresários e ruralistas)
  • Crise ética (instituições sem credibilidade)
  • Crise de lideranças (pessoas públicas que reflitam o que a sociedade debate)
  • Poder Econômico
  • Justiça elitista
  • Corrupção
  • Preconceito de classe, racismo
  • Machismo

Setores que não tem objetivo de justiça, garantir autonomia, diminuir desigualdades.

Alguns inimigos muito difíceis de serem atingidos. Não são aparentes. Emergem como fruto da crise. Inimigos que estão dentro de nós. Ex: crescimento de Bolsonaro.

As diversas crises que estamos vivendo abrem espaço ao preconceito, violência. A desesperança abre espaço para tudo isso.

 

Fatores históricos

  1. Sociedade brasileira construída sobre a escravidão (“400 anos”)
    1. Sociedade doente (ex: tatuagem na testa do rapaz recentemente)
  2. Sociedade extremamente machista
    1. Violência absurda contra a mulher
  3. Sociedade extremamente preconceituosa
    1. Características dos brasileiros
    2. Preconceito de classe
      1. Ex: Trabalhador no avião incomoda a sociedade

 

Consequência

  • Sociedade violenta e autoritária
  • 1 linchamento público por dia
  • Assassinados com “naturalidade” travestis, homossexuais...
  • Extermínio da juventude negra e periférica
  • Pequena minoria recheada de privilégios (exceto negros, pobres, indígenas, mulheres)
    • Acesso a educação, cultura, saúde, ciência...
    • Sente prazer pela humilhação (Ex; vagabundo)
  • Perda da noção de solidariedade

Ampla maioria dos presidentes não terminou o mandato

Tivemos muito mais tempo sob regimes autoritários que democráticos

Não conhecemos o que é cidadania e democracia!

Nunca tivemos democracia, teremos que construir!

Como isso se expressa na política brasileira?

  • Reformas da PEC do teto dos gastos – atinge aqueles que dependem dos serviços públicos
  • Reforma da previdência – atinge em especial a mulher negra
  • Reforma trabalhista – população negra que tem o trabalho mais precarizado

As reformas do Presidente Temer são a expressão institucional do preconceito.

  • A classe trabalhadora que não estava organizada, começou a se incomodar com o cenário.
    • 80% da população brasileira é contra as reformas.
  • Governo Temer de bandidos – 8 ministros, 4 assessores... envolvidos em escândalos.
  • A elite política (direita e esquerda) estava decidindo sem o olhar da classe trabalhadora.
  • Na sobreposição de crises e na emergência do autoritarismo e preconceito – a elite brasileira perdeu a vergonha – divórcio entre capitalismo e democracia.
  • Capitalismo financeirizado ou democracia = luta de classes.
  • Vivemos um tempo de conciliação que não se sustenta mais.

Classe trabalhadora se incomoda e entra mais em cena

As elites políticas estão divididas

Temos que combater os inimigos

Luta de classes declarada

Fatos novos

Tendência a piorar

Nosso dever:

Fazer política para ampliar democracia e cidadania.

  • Barrar as reformas!
  • Ampliar a participação da classe trabalhadora! Queda do governo Temer!
  • Eleições diretas (eleições indiretas = acordo)!

De forma contrária, tudo tende a piorar de forma desenfreada.

A luta é de longuíssimo prazo.

Dever de trazer a solidariedade à tona!

 

Nenhum direito a menos!

 

Clique aqui para acessar o material criado na aula.