PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 83 visitantes e Nenhum membro online

Sermão da Montanha e as Eleições

Em época de campanha, todo político é bonzinho, todo político se preocupa com o bem-estar da população, todo político sente prazer em passear pelas ruas e dar a mão para o povo. Mas, e depois?

No Sermão da Montanha, Jesus antevê o Reino de Deus, oferece-o para o povo e nos ensina a construí-lo. Numa leitura mais atenta podemos fazer uma comparação entre o comportamento de Jesus Cristo e o de nossos políticos, mas também é possível confrontá-lo com a nossa prática.

Há pouco menos de 2 semanas para as Eleições, vejamos como Jesus orientaria o comportamento de nossos candidatos e nossas candidatas. Como não teremos muito tempo para fazer uma leitura de todo o texto e de fazermos uma reflexão sobre ele, vamos dar apenas algumas dicas e pedimos que vocês leiam todo o texto e procurem refleti-lo nas Pastorais de Fé e Política.

sermao-da-montanha-01O texto completo está em Mateus 57. Ouçamos.

Com efeito, eu vos asseguro que se a vossa justiça não ultrapassar a dos escribas e a dos fariseus, não entrareis no Reino dos Céus.”

Percebam que para que seja possível a vinda do Reino, um Reino de Vida e Abundância para todos, nossos candidatos devem se comprometer com uma justiça que ultrapasse a lógica do sistema que existe atualmente. Os candidatos que estiverem realmente comprometidos em transformar a vida dos habitantes mais carentes dessa cidade não podem estar ao lado de grupos que oprimem tais habitantes.

Sobre isso, Jesus nos orienta:

Ninguém pode servir a dois senhores. Com efeito, ou odiará um e amará o outro, ou se apegará ao primeiro e desprezará o segundo. Não podeis servir a Deus e ao Dinheiro.”

Para saber a quem nossos candidatos estão servindo, devemos perguntar-lhes quem está bancando suas campanhas. Se eles recebem dinheiro de bancos, de grupos imobiliários para financiar suas candidaturas, saibam que será para essas pessoas que eles governarão; será ao Dinheiro que eles servirão.

E vejam que muitas vezes eles vêm disfarçados, como já comentamos no início, porque parecem realmente que serão a solução para os problemas de creche, de moradia, de educação, de saúde, de acessibilidade às pessoas deficientes. Citam frases do Evangelho e de santos da Igreja, participam da Liturgia, mas Jesus ainda nos alerta:

Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm a vós disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos ferozes. Pelos seus frutos os reconhecereis. Por acaso colhem-se uvas dos espinheiros ou figos dos cardos? Do mesmo modo, toda árvore boa dá bons frutos, mas a árvore má dá frutos ruins. Uma árvore boa não pode dar frutos ruins, nem uma árvore má dar bons frutos. Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo. É pelos seus frutos, portanto, que os reconhecereis.”

Que nessas eleições saibamos reconhecer qual foi o fruto oferecido para nosso povo nos últimos anos, nos últimos mandatos e que saibamos lançar ao fogo as árvores que não produziram bons frutos.

 

FONTE: O artigo de Marília Amaral nos foi enviado diretamente pela autora, tendo sido primeiramente veiculado pela Rádio 9 de Julho no dia 24 de setembro de 2012. Sua reprodução é autorizada pela Rádio 9 de Julho.

 

 

Marília Amaral

Marília Amaral
Marília Amaral é integrante da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo e também apresenta comentários sobre Fé e Política na Rádio 9 de Julho (AM 1.600 KHz/SP). Para falar com Marília Amaral utilize nosso formulário de contato.