PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 152 visitantes e Nenhum membro online

Cultivar os Valores Republicanos

Nós somos uma República, antes o regime adotado era da monarquia e o Brasil tinha o Rei e toda a corte. Hoje é feriado para comemorarmos a Proclamação da República. Havia pressão para libertação dos escravos, mas o comércio negreiro era altamente lucrativo para os latifundiários. Os militares começaram a se organizar e reivindicar seus direitos e o republicanismo começou a tomar força. Não foi uma luta e conquista do povo, foi uma luta entre o poder da monarquia e os militares. Nasceu assim a República.

Importa para nós hoje entender que republica quer dizer cuidar da coisa pública, do que é de todos e entender os valores republicanos, que são basicamente:

O respeito às leis; o respeito ao bem público, acima do interesse privado; o sentido de responsabilidade no exercício do poder, o dever de prestar contas, e que todos, governantes ou governados, são iguais perante a lei. A responsabilidade é a essência do regime democrático (Maria Victoria Benevides).

Tudo isso implica que nós busquemos a educação política. Muitas pessoas exercem o poder em nosso país sem conhecer os princípios da república e da democracia. Neste dia em que comemoramos a Proclamação da República, os alunos da Escola de Fé e Política Waldemar Rossi estão entregando os Trabalhos de Conclusão de Curso. Passaram este ano se dedicando a entender os valores republicanos e democráticos. Por que fizeram isso? Porque são pessoas de fé e querem viver o compromisso que o Evangelho nos convoca em vista do bem comum.

Os 50 alunos desta primeira turma da Escola de Fé e Política se reuniram em doze grupos conforme a subprefeitura de moradia. Antes das aulas que ocorrem às segundas-feiras, os grupos se reuniram com a orientadora em encontros de 30 minutos antes da aula, sendo 2 grupos por noite. Elegeram qual o aspecto ou aspectos de sua subprefeitura desejariam conhecer melhor e foram buscando dados disponibilizados pela Prefeitura do Município, analisaram os dados da Rede Nossa São Paulo que tem vários instrumentos para medir a gestão da cidade. Fizeram visitas aos serviços públicos e entrevistaram usuários e gestores. Todo o foco da Escola dá-se em entender a organização da cidade, conhecer o Programa de Metas e indicadores de gestão para poder intervir, buscando a diminuição da desigualdade.

Da Arquidiocese de São Paulo tivemos 8 grupos: um grupo estudou a situação da Saúde Pública na Subprefeitura Aricanduva/Carrão/Formosa; outro a situação da população em situação de rua e as pastorais sociais na Subprefeitura Mooca; o grupo de São Mateus analisou os desafios da comunidade que vive no Km 28 da Avenida Sapopemba, uma região onde falta ônibus, escola, unidade de saúde, emprego entre outras. Um grupo da Vila Prudente estudou os Indicadores do Observatório da desigualdade na V. Prudente e outro grupo analisou os equipamentos públicos e eclesiais voltados para a pessoa idosa também na V. Prudente. Uma dupla analisou a situação dos migrantes bolivianos, o grupo de Pirituba analisou a demanda e atendimento nas creches municipais do Jd. Rincão; o grupo de Santana refletiu sobre Cidadania, participação e desenvolvimento sustentável.

Participaram também da Escola de Fé e Política pessoas da Diocese de São Miguel, o grupo da Cidade Tiradentes analisou as estruturas a serviço da vida e suas carências e o grupo da Penha analisou a situação da Saúde Pública e o atendimento ao Idoso na subprefeitura.

Tivemos participantes de cidades vizinhas como Guarulhos que analisaram a Implantação do Plano de Metas na cidade de Guarulhos e um participante de Jundiaí que refletiu sobre como está o transporte e o meio ambiente na sua cidade.

Vejam como foi rica e diferenciada a reflexão e o preparo para a participação. Tudo isso vem de encontro ao compromisso do 11o Plano de Pastoral da Arquidiocese de São Paulo que é ser testemunha de Jesus Cristo na cidade de São Paulo. Dentre os participantes da Escola, temos 20 candidatos ao Conselho Participativo Municipal. São pessoas que ao fazer a Escola sentiram-se chamados a se colocar a serviço de sua comunidade, participando e acompanhando as ações da subprefeitura.

Nos dias 25/11 e 02/12 os grupos apresentarão esses trabalhos aos avaliadores que são da Escola da Cidadania da Zona Leste, da Escola da Cidadania da Zona Sul e da Escola de Governo. Venha conhecer a atuação da Escola no Centro Pastoral São José do Belém.

 

Fonte: Programa exibido na Rádio 9 de Julho no Programa Igreja em Notícia no dia 15/11/2013. Reproduzido aqui com autorização da autora.

Márcia M. de Castro

Márcia M. de Castro
Márcia Mathias de Castro é fonoaudióloga, membro da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo e Coordenadora da Escola de Fé e Política Waldemar Rossi (RE Belém). Também é colaboradora da Rádio 9 de Julho (AM 1.600 KHz - SP), participou da Escola de Governo e do Movimento de Integração Campo Cidade (MICC).