PASTORAL FÉ E POLÍTICA

Arquidiocese de São Paulo

ptarzh-CNenfrdehiitjarues

Temos 130 visitantes e Nenhum membro online

Construção da Cidadania: Quem Somos Nós, Quais os Desafios?

Quais os desafios para a construção de um país mais justo e solidário, onde o povo brasileiro tenha maior bem estar e maior protagonismo social? Como podemos, cada um de nós, ampliar nossa percepção da realidade social, desenvolvendo maior consciência da realidade social e estimulando a participação de mais pessoas na superação das grandes dificuldades sociais e econômicas?

Para fazer esta reflexão, trataremos um pouco da caracterização da população do país, tentando mostrar dois aspectos principais: a grande diversidade cultural da nossa sociedade, e algumas particularidades de ordem econômica e social.

Antes, porém, permitam-me relembrar um pouco o programa anterior. Na reflexão passada observamos que nos últimos anos têm ocorrido importantes avanços educacionais, de renda, de acesso à informação e ao consumo, permitindo uma importante redução da desigualdade social, com diminuição da pobreza e a ascensão social de muitas pessoas. Esse fenômeno, impulsionado por políticas públicas voltadas para o mercado interno e para a população teve grande impacto na vida das grandes cidades, ampliando o mercado de trabalho, multiplicando o comércio e as vendas, gerando novas expectativas de consumo e acesso aos bens. Em síntese, segundo Ricardo Paes de Barros, da Secretaria de Assuntos Estratégicos, "O Brasil saiu de 8 milhões para 24 milhões de trabalhadores formais, desde 2002.

Mas avancemos refletindo um pouco sobre quem somos nós!!

nordestino-01Acho que está claro para todos como a sociedade brasileira é heterogênea e diversificada. Esta diferenciação se dá entre regiões do País, como, por exemplo, as regiões Sul e Nordeste, que são tão diferentes. Mas também temos regiões onde há uma grande mistura de povos compartilhando a vida, como as regiões Sudeste e Centro Oeste. Se nos detivermos no Centro Oeste, veremos lá a grande presença tanto de sulistas como de nordestinos, integrando suas culturas e formando novas configurações culturais.

Residir no campo ou na cidade, ou morar em regiões com maior ou menor acesso aos padrões de consumo modernos são também variáveis que refletem a enorme diversidade social. E são estas as diversidades que, no âmbito de um único país, constituem a enorme riqueza cultural brasileira, com tantos padrões culturais, de consumo e gostos diferenciados. Essa diversificação tem a marca de um percurso histórico complexo e contraditório, repleto de desigualdades e abusos de poder. Muitos costumes advém de nossa raiz indígena e da enorme contribuição dos milhões de homens e mulheres trazidos para cá da África, para serem explorados como escravos. Outros povos e etnias, europeus, asiáticos, latino-americanos também foram se agregando, em diferentes épocas, ampliando esta riqueza e diversidade.

gaucha-01Ao longo da exploração e povoamento do território nacional foram se desenvolvendo, portanto, diferentes características regionais, muito relacionadas à época em que a colonização de cada região se processou, mas, também muito relacionada à característica geográfica, à adaptação aos diferentes biomas. Vejam que diferente é a vida dos povos amazônicos e dos povos do cerrado, com tradições alimentares e gostos tão diferentes!! E tudo isso sem perder nada da nossa festejada brasilidade, nossa cordialidade e acolhimento, nosso gosto por reuniões e festas, pelo encontro e pelo cuidado com as boas relações de vizinhança!! Pois é, este é o nosso Brasil continental, cada vez mais integrado e próximo, devido à redução das distâncias pelas telecomunicações e pelos melhores meios de transporte disponíveis.

Diante de tudo isso, contudo, o ponto central que quero destacar hoje são as grandes diferenças sociais, que sabemos que podem ser ainda mais reduzidas, com ações em várias frentes, não só nas políticas públicas mas também, e sobretudo, no nosso protagonismo social!!

Marcelo Neri, do Centro de Políticas Sociais da FGV, mostra alguns dados interessantes, mostrando diferenças e particularidades dos diferentes perfis sociais. Como ele diz, padrões da Bélgica e de Índia: a classe A/B, dos 10% mais ricos e a classe E, dos 15% mais pobres, que vivem numa situação assemelhada à da Índia.

Vou apresentar alguns números, para refletirmos um pouco:

· As crianças de até nove anos são 27,5% dos mais pobres mas são apenas 7,1% dos mais ricos,
· Pessoas com mais de 70 anos são 1% dos mais pobres, mas chegam a 7,4% no grupo dos mais ricos,
· Quanto a raça, 75,2% da classe A/B é branca, enquanto 72,6% dos pobres são negros ou pardos,

Quanto à educação, este ainda é um artigo de luxo, pois enquanto quase a metade da elite tem pelo menos o superior incompleto, apenas em torno de um por cento dos mais pobres chegam ao ensino superior.
Estes dados mostram que, ao longo da história, o Brasil consolidou gritantes diferenças sociais. Como afirmar que todos têm as mesmas oportunidades, se há tanta diferença?

Esta reflexão sugere que temos sim que ter um olhar especial para as crianças e para a atenção aos mais velhos, situados nos grupos mais pobres. Também fica evidente a obstrução dos direitos civis da população negra, que tem pequena presença nos estratos mais ricos, mas é maioria nos mais pobres...


 

FONTE: O artigo de Pedro Aguerre nos foi enviado diretamente pelo autor, tendo sido primeiramente veiculado pela Rádio 9 de Julho no dia 04 de janeiro de 2012. Sua reprodução é autorizada pela Rádio 9 de Julho.

 

 

 

Pedro Aguerre

Pedro Aguerre
Pedro Aguerre é doutor em Ciências Sociais, professor universitário e militante da área de formação política e cidadã, participando ativamente da Rede Nossa São Paulo. É colaborador da Pastoral Fé e Política da Arquidiocese de São Paulo, comentarista na Rádio 9 de Julho (AM 1.600 KHz/SP) e participa do grupo de coordenação da Escola de Fé e Política Waldemar Rossi. Para falar com Pedro Aguerre, utilize nosso formulário de contato.